Intervenção nos Contextos Naturais da Criança: Análise de Práticas em Intervenção Precoce na Infância

Conhecimentos de Base Recomendados

N/A

Métodos de Ensino

A UC é constituída por 35 h TP, de modo a permitir que os alunos possam gradualmente adquirir as competências necessárias e fundamentais para o desempenho da sua atividade na área da intervenção Precoce. Para tal recorrer-se-á a metodologias participativas e dinâmicas que valorizem a aprendizagem e o desenvolvimento pessoal, designadamente a métodos expositivos, demonstrativos (através do recurso a diapositivos e visionamento de vídeos) e ativos, designadamente práticas simuladas, no sentido de transmitir a informação teórica e exemplificar sempre que possível com casos práticos. Serão proporcionadas atividades individuais e/ou em grupo de discussão e reflexão para promover a partilha de experiência e integração dos conteúdos ministrados.

Resultados de Aprendizagem

Com esta UC pretende-se que os alunos compreendam qual o papel central do profissional de Intervenção Precoce: apoiar o cuidador da criança com vista ao fortalecimento das interações crianças-cuidadores nas rotinas diárias. Assim, o aluno deverá no final desta Unidade:

– Deter um conhecimento aprofundado acerca da abordagem transdisciplinar como modelo de intervenção coordenado e coerente no apoio às famílias;

– Adquirir competências de apoio aos docentes das creches e Jardins de Infância na implementação dos objetivos de intervenção visando a promoção do envolvimento e da participação das crianças em contextos inclusivos;

– Entender a consultoria colaborativa como estratégia de promoção das competências e confiança dos cuidadores na promoção da participação da criança.

Programa

1. O modelo transdisciplinar de prestação de serviços: O papel do Mediador de Caso

2. As visitas aos contextos naturais da criança:

2.1 Visitas domiciliária

2.2 Visitas aos contextos formais de educação e cuidados

3. A consultoria Colaborativa (entre educadores de Infância e profissionais de IPI)

Métodos de Avaliação

Avaliação
  • - Conhecimentos adquiridos/aplicados em contexto de um trabalho individual - 50.0%
  • - presença e pontualidade - 10.0%
  • - Participação, implicação e dinamismo nas aulas e desempenho nos exercícios propostos - 40.0%

Estágio(s)

NAO

Bibliografia

Guralnick, M. (2005). The developmental systems approach to early intervention. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Co. 

McWilliam, R.A. (2010). Routine – Based Early Intervention: Supporting Young Children and Their Families. Baltimore: Paul H. Brooks.

Odom, S. L. (2007). Alargando a Roda – A inclusão de crianças com necessidades educativas especiais na educação pré-escolar. Porto: Porto Editora.

Sandall, S. & Schwartz, I. (2003). Construindo blocos: Estratégias para incluir crianças com necessidades especiais em idade pré-escolar. Porto: Porto Editora.

Pimentel, J. (2005). Intervenção focada na família : desejo ou realidade. Lisboa: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência. 

Crawford, M. & Weber, B.(2013). Early Intervention Every Day!: Embedding Activities in Daily Routines for Young Children and Their Families. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Co.

Paasche, C. L., Gorril, L. & Strom, B. ( 2010). Crianças com Necessidades Especiais em Contextos  de Educação de Infância. Porto: Porto Editora

Carvalho, L., Almeida, I., Felgueiras, I., Leitão, S., Boavida, J., Santos, P., Serrano, A., Brito, A., Lança, C., Pimentel, J., Pinto, A., Grande, C., Brandão, T., & Franco, V. (2016). Práticas recomendadas em intervenção precoce na infância: Um guia para profissionais. Coimbra: ANIP.

McWilliam, R. A. (2012).Trabalhar com as Famílias de Crianças com Necessidades Especiais. Porto: Porto Editora. 

Division for Early Childhood. (2014). DEC recommended practices in early intervention/early childhood special education 2014. Retrieved from http://www.decsped.org/recommendedpractices

Pinto, A. I., Grande, C., Aguiar, C., Almeida, I. C., Felgueiras, I., Pimentel, et al. (2012). Early childhood intervention in Portugal: An overview based on the Developmental Systems Model. Infants & Young Children, 25, 4, 310-322. DOI: 10.1097/IYC.0b013e31826d8242

Pletcher, L. C. & Younggren, N. O. (2013). The early intervention workbook: Essential practices for quality services. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Co. 

Grande, C., & Pinto, A. I. (2011). O envolvimento de crianças com Necessidades Educativas Especiais em contexto de creche e de jardim-de-infância. Análise Psicológica, 1 (XXIX), pp. 99 118

Dunst, C. J. (2000b). Revisiting “Rethinking early intervention”. Topics in Early Childhood Special Education, 20:2, 95-104

Leal, L. (2008). Un enfoque de la discapacidad intelectual centrado en la familia (trad. cast de M.C. Cuenca  E.J. Fernández). Madrid: FEAPS. Confederación Española de Organizaciones a favor de las personas con Discapacidad Intelectual. [V.O. A family-center approach to people with mental retardation.American Association on Mental Retardation, 1999].

Ensher, G. & Clark, D. (2011). Relationship-centered practices in early childhood: Working with families, infants & young children at risk. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Co.

Franco, V. (2015). Introdução à intervenção precoce no desenvolvimento infantil – Com a família, na comunidade, em equipe. Évora: Edições Aloendro. 

Rush, D.D. & Shelden, M.L. (2011). The Early Childhood Coaching Handbook. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Co.

Serrano, A. (2008). Redes sociais de apoio e sua relevância para a intervenção precoce. Porto: Porto Editora.  

Almeida, I., C. (2009). Estudos sobre a Intervenção Precoce em Portugal: Ideias dos especialistas, dos profissionais e das famílias. Lisboa: Instituto Nacional para a Reabilitação.

McWilliam, P. J., Winton, P. J., & Crais, E. R. (2003). Estratégias práticas para a intervenção centrada na família. Porto: Porto Editora.

 Afonso, J. L. (2014). Crescendo juntos: Passos para a Inclusão na Educação de Infância. Porto: Porto Editora.  

Shelden, M. L. & Rush, D. D. (2013). The early intervention teaming handbook. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Co.

Klass, C. (2008). The Home Visitors Guide Book: promoting Optimal Parent & Child Development. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Co.

Dunst, C. J., Trivette, C. M, & A. G. Deal,, A. G. (1994). Supporting and strengthening Families – Methods, strategies and practices. Cambridge: Brookline Books.

Dunst, C.J., Trivette, C.M., & Deal, A.G. (1988). Enabling and empowering families: Principles and guidelines for practice. Cambridge, MA: Brookline. 

Shonkoff, J. P. & Phillips, D. A. (2000). From neurons to neighborhoods: The science of early childhood development. Washington: National Academy Press.

Breia, G., Almeida, I. C., & Colôa, J. (2004). Conceitos e práticas em intervenção precoce. Lisboa: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular