Turismo Ativo

Conhecimentos de Base Recomendados

Não se aplica

Métodos de Ensino

Os conteúdos teórico-práticos serão apresentados através da exposição oral e da apresentação Powerpoint, complementados através da visualização de vídeos didáticos, análise/discussão de textos e estudos de caso. Nas aulas práticas-laboratoriais serão adotadas as seguintes estratégias e procedimentos: exposição oral, demonstração, observação/correção, instrumentos de observação e de avaliação e material didático específico para cada bloco.
O processo de avaliada será efetuado por avaliação contínua ou por exame.
Por avaliação contínua:
A) Componente teórico-prática (65%)
– Projeto de atividades de Turismo Ativo (35%)
– Teste de avaliação (25%)
– Prova Oral (5%)
B) Componente prática-laboratorial (30%)
C) Comportamento e atitudes (5%)
Avaliação por exame:
A) Componente teórico-prática (70%)
B) Componente prática-laboratorial (30%)

Resultados de Aprendizagem

Esta unidade curricular tem como objetivo desenvolver conhecimentos, capacidades e competências ao nível do enquadramento histórico, conceptual e organizacional relacionadas com as atividades de Turismo Ativo, de forma a que os estudantes possam:
1) conhecer, compreender e analisar de forma crítica as tendências históricas, sociais e culturais, que deram origem a estas práticas e a sua evolução em diferentes países e mais concretamente em Portugal;
2) contextualizar e articular os principais conceitos associados ao Turismo Ativo
3) identificar o perfil, as funções e a formação dos profissionais em Turismo Ativo
4) compreender e analisar o enquadramento legal das atividades de Turismo Ativo
5) conhecer e aplicar os instrumentos metodológicos de planeamento e gestão de programas, projetos e eventos de Turismo Ativo
6) promover e dinamizar, em segurança, atividades de Turismo Ativo

Programa

INTRODUÇÃO AO TURISMO ACTIVO
– Origem, conceitos e características
– A oferta e a procura de atividades de Turismo Ativo
– O Perfil, as funções e a formação dos profissionais de Turismo Activo
– O enquadramento legal das atividades de Turismo Activo
– Planeamento e gestão de programas, projetos e eventos
– Gestão e manutenção de materiais e equipamentos
– Gestão de espaços naturais/sustentabilidade
– Gestão de instalações desportivas (Parques Aventura, Centros Náuticos, Campos de Golfe, etc.)
– Gestão do risco e da segurança
PRÁTICAS DE TURISMO ACTIVO
– Promoção e dinamização de atividades de Turismo Ativo (Pedestrianismo, Orientação, Escalada, Manobra de Cordas, Jogos na Natureza, Fotografia na Natureza, Golfe, etc.)

Docente(s) responsável(eis)

Ricardo José Espírito Santo de Melo

Métodos de Avaliação

Avaliação Por Exame
  • - Exame - 100.0%
Avaliação Contínua
  • - Projeto de atividades de Turismo Ativo - 35.0%
  • - Teste de avaliação + Prova Oral + Comportamentos e Atitudes - 35.0%
  • - Prática-laboratorial - 30.0%

Estágio(s)

NAO

Bibliografia

– MEI. Decreto-Lei n. 108/2009, de 15 de Maio. Diário da República, 1.ª série – N.º 94 – 15 de Maio de 2009
– Silva, F. et al (2000). “Segurança em actividades de Aventura”. Lisboa: CEFD.

– FRAGA, Aura (cord.) (2005). Manual para o Investidor em Turismo de Natureza. Bensafrim: Vicentina – ADS,
pp. 97-177.

– Melo, R. (2009). Desportos de Natureza: Reflexões sobre a sua definição conceptual. Coimbra: Revista
Exedra, 2ª edição, pp. 93-104.

– Melo, R. & Mendes, R. (2011). Gestão do Risco e da Segurança em Desportos de Natureza: o caso dos
Desportos de Montanha. In Pereira, B. et al. (Coord.). “Atividade Física, Saúde e Lazer. O Valor Formativo do
Jogo e da Brincadeira”. Braga: Univ. Minho.

– TP (2006). Produtos Estratégicos – Turismo de Natureza. Lisboa: TP

– TP (2006). Produtos Estratégicos – Golfe. Lisboa: TP

– TP (2006). Produtos Estratégicos – Turismo Náutico. Lisboa: TP

– Dougherty, N. (ed.) (1998). “Outdoor recreation safety”. United States: Human Kinetics.

– Silva, F. et al (2000). “Segurança em actividades de Aventura”. Lisboa: CEFD.