Culturas Arvenses Biológicas em Primavera/Verão

Conhecimentos de Base Recomendados

Agricultura Geral e Agrometeorologia

Solos e Fertilização em Produção Biológica

Máquinas Agrícolas 

Métodos de Ensino

As metodologias de ensino utilizadas têm como finalidade proporcionar uma eficaz transmissão de conhecimentos e um clima de diálogo com os alunos que favoreça e consolide o processo de ensino aprendizagem. Nas aulas teórico-práticas é feita a explicação dos princípios necessários ao desenvolvimento dos conteúdos programáticos e à aquisição das competências definidas. Procura-se a participação dos alunos na adaptação dos conhecimentos adquiridos à resolução de situações concretas. O estudo de casos concretos trabalhados pelos alunos são apresentados e discutidos na sala de aula com a participação ativa e crítica do docente e dos alunos.

Resultados de Aprendizagem

1. Avaliar a importância das culturas arvenses biológicas de primavera-verão na região, no país e no mundo.

2. Conhecer as principais culturas a arvenses biológicas cultivadas em primavera-verão.

3. Avaliar situações particulares e atuais das culturas arvenses biológicas, na época de primavera-verão.

4. Enquadrar a condução das culturas arvenses biológicas em primavera-verão numa perspetiva ecológica.

Programa

Principais zonas e regiões de produção de culturas arvenses biológicas de primavera-verão, ou passíveis de virem a ser utilizadas como tal, a nível nacional e internacional;

Áreas cultivadas, produções e rendimentos obtidos;

Estrangulamentos, a nível nacional e internacional, no domínio das culturas arvenses biológicas de primavera-verão;

Identificação das culturas nas diferentes fases do seu ciclo vegetativo;

Ciclo vegetativo e ciclo cultural: aplicação às culturas estudadas;

Principais exigências das culturas e respetivas técnicas culturais: especificidades das culturas arvenses biológicas em primavera-verão;

Apreciação crítica das opções culturais seguidas/preconizadas;

Avaliação da produção final das culturas arvenses biológicas de primavera-verão, em termos qualitativos e quantitativos;

Estratégias ecológicas para obtenção de um dado produto final;

Perspetivas para o futuro, numa ótica de desenvolvimento ambientalmente amigável e duradouro;

Impactes das estratégias definidas.

Docente(s) responsável(eis)

Métodos de Avaliação

Exame
  • - Exame - 100.0%
Avaliação contínua
  • - Frequência - 65.0%
  • - Trabalho Individual e/ou de Grupo - 35.0%

Estágio(s)

NAO

Bibliografia

CUNHA, M. J.; CASAU, F.; AMARO, R. e OLIVEIRA, A. (2005)-Tecnologias Limpas em Agro-Pecuária. Colecção Agricultura e Ambiente. Sociedade Portuguesa de Inovação.

DGADR, Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural. A Produção Biológica em Portugal (1994-2017). Janeiro de 2019.

DGADR, Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural. Guia para o Produtor Biológico – Produção vegetal e animal. 2017.

ENAB. Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica. Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural. 2017

FAO – The State of Food and Agriculture 2019. Moving forward on food loss and waste reduction. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations. 2019.

FAO –  The State of Food and Agriculture 2021. Making Agrifood Systems more Resilient to Shocks and Stresses. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations.

FERREIRA, J. C. (Coord.). (2012) – As Bases da Agricultura Biológica. Tomo I – Produção Vegetal. EDIBIO. Lisboa.

FERREIRA, J.C.; STRECHT, A.; RIBEIRO, J.R.; SOEIRO, A.; COTRIM, G. (2002) – Manual de Agricultura Biológica.

Fertilização e protecção das plantas para uma agricultura sustentável. Lisboa: Ed. AGROBIO, 3ª Ed..

FREELING, M.; WALBOT, V. (1996) – The maize handbook. New York: Springer-Verlag.

GUERRERO, A. (1992)- Cultivos Herbáceos Extensivos. Madrid: Ediciones Mundi-Prensa.

MENEGON, G.; PIVOTTIi, F., XICCATO, G. (1992) – Fundamentos de Tecnologia Agrária. Mem Martins: Publicações

Europa América, Colecção Euro-Agro Nº 34 e 35.

MOURÃO, I.; ARAÚJO, J.P.; BRITO, M. – Manual de Agricultura Biológica. Terras de Bouro: Município de Terras de Bouro, 2006.

Regulamento (CE) N.º 834/2007 do Conselho de 28 de junho de 2007 relativo à produção biológica e à rotulagem dos produtos biológicos e que revoga o Regulamento (CEE) n.º 2092/91. JO L 300: 72.

Regulamento (CE) N.º 889/2008 da Comissão de 5 de setembro de 2008 que estabelece normas de execução do Regulamento (CE) n.º 834/2007 do Conselho relativo à produção biológica e à rotulagem dos produtos biológicos, ao que respeita à produção biológica, à rotulagem e aos controlos.

Regulamento de Execução (UE) 2016/673 da Comissão de 29 de abril de 2016 que altera o Regulamento (CE) n.º 889/2008 que estabelece normas de execução do Regulamento (CE) N.º834/2007 do Conselho relativo à produção biológica e à rotulagem dos produtos biológicos, no que respeita à produção biológica, à rotulagem e ao controlo.

SERRANO, J.F. (2003)- Agricultura Ecológica. Manual y Guía Didáctica. Leon: Ed. IRMA, S.L..

SOLTNER, D. (1987)- Phytotechnie Spéciale. Les grandes Productions Végétales. Céréales – Plantes Sarclées – Prairies.

Angers: 15e Édition, Collection Sciences et Techniques Agricole.

TINARELI, A. (1989)- El arroz. Madrid: Ediciones Mundi-Prensa.

VILLALOBOS, F., MATEOS, L. ORGAZ, F. & FERERES, E. (2002) – Fitotecnia: Bases y tecnologias de la produccion agrícola. Mundi Prensa, Madrid.